Roteiro – Um Sopro – Parte 1

Escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém.  A minha própria vida, provavelmente. O ato de escrever é sempre um desespero, um afogamento e ao mesmo tempo um respiro. Preciso me agarrar nas palavras como se elas fossem correntes pesadas segurando meus pés no chão. Preciso escrever para provar para mim mesma que eu existo. Escrever é a única coisa que me dá certeza da minha existência banal.

Eu sou real. Eu sempre fui e de repente não era mais. É sempre assim… Escrever é muito perigoso, a gente mexe com o oculto, com aquilo que não é visto no mundo. É que o mundo não está à tona. Está oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. É por isso que toda minha palavra tem um coração que pulsa e circula sangue.

Dia 1

Fico aqui pensando enquanto tomo um chá de qualquer coisa na janela… Será que não são todas as pessoas que piram, em claro, durante a madrugada, porque a madrugada é um lugar silencioso, onde a maioria das pessoas está vivendo em um mundo inventado pela própria cabeça delas? É que quando estamos acordados justo na hora que deveríamos estar no mundo dos sonhos, tudo fica meio desfocado. São nessas horas que eu penso que existir simplesmente é um fenômeno que transforma qualquer pessoa em doida.

Fico repetindo pra mim mesma, enquanto olho pra fora e escuto pouquíssimos barulhos das pessoas que estão acordadas na mesma hora que eu: Entre todos os caminhos, não posso me perder de vista. Não posso me perder de vista. Não posso me perder de vista. Caio no sono.

Dia 2

Eu… eu fico imaginando se os personagens das histórias tem ideia de que eles são apenas personagens. E será que eu mesma não sou um personagem que não sabe que é personagem? Será que não deu tempo de me concluírem? Vou ficar presa pra sempre nessas histórias onde os personagens não se definem?

Talvez eu seja um personagem que eu mesma inventei, então. Ele precisa ser lapidado por mim. Tenho que ter paciência comigo mesma, senão me perco dentro de mim. Vivo me perdendo de vista. Preciso ter paciência porque sou vários caminhos; inclusive o fatal beco sem saída.
Pode ser que eu também seja o vazio. O avesso. Talvez eu seja o personagem de mim mesmo. Porque, quanto a mim, sinto que de vez em quando que sou o personagem de alguém. É incomodo ser dois: eu para mim e eu para os outros.

Eu tenho medo de ser só uma invenção de própria autoria.

Texto de Marcela Picanço e Clarice Lispector (sempre quis falar isso). Fiz uma parceria do além com a Clarice Lispector e me dei o direito de pegar alguns trechos do livro dela “Um Sopro de Vida” e misturar com uma história que eu criei. Coloquei as frases da Clarice no meio das minhas frases, perdidas no texto. Quem leu o livro (e conhece bem ela), provavelmente conseguirá identificar o que é meu e o que é dela, mas achei que a junção, no final, foi como um rio se encontrando com o mar, se misturando e fazendo aquele fenômeno bonito. ( Ela sendo o mar, é claro, e elevando a qualidade do texto).

 É a primeira parte de um curta que será filmado na semana que vem, mas fiquei ansiosa demais para divulgar o trabalho. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s