Sinto muito por não me acompanhar

Por Natália Beraldi, nova colunista do De Repente dá Certo 

E quem diria que, hoje, eu conseguiria enxergar que, ao perder você, eu me encontraria? Eu só acordei um dia sem rumo e não conseguia enxergar o meu caminho, só percebi o quanto eu havia me deixado para trás, junto com os meus sonhos, junto com as minhas perspectivas.

Era domingo, eu tive vontade de fazer as malas, de novo, e fiz. Faltou pegar algumas coisas no seu armário, mas deixei pra trás. Quando dei por mim, quilômetros já nos separavam e não houve tempo nem de despedida. Tudo bem, você já estava se despedindo havia tempo. Talvez no dia em que eu te disse que queria conhecer o mundo inteiro você se assustou, me olhou firme, disso eu lembro bem, com olhos de mentira disse que estaria do meu lado onde quer que fosse, mas na primeira travessia você deu passos para trás. O dia brilhava e eu era tão solar e você não me viu.

O fato é que eu encontrei na estrada um lugar pra curar toda dor e saudade. Eu desisti de esperar por quem, na verdade, não queria me acompanhar. Saí pela porta dos fundos e você só notou dias depois, quando jogou a chave pela janela, e não fui eu que subi. Você nem reparou, e foi com essa mesma mala que hoje eu ando por ai. Conheço lugares, descubro e aprendo algo novo todos os dias, porque tudo o que eu quero é crescer, é preencher os meus vazios, estar no meu lugar.

Em todos esses lugares é de você que eu me lembro, é em você que eu penso, é você que eu queria que estivesse do meu lado, é você que eu queria ter no banco do lado, no carro, no ônibus, no trem, no avião, rumo a qualquer lugar que nos fizesse feliz. Mas você desistiu, deixou as passagens pelo caminho, elas já estavam todas compradas, o tanque já estava cheio, e você não quis partir comigo, resolveu estacionar o seu mundo. Eu sinto tanto! Sabe, era mais fácil sonhar do seu lado, mas não era possível ver o horizonte. Não era possível enxergar nós dois nas fotos reveladas, e também não tinha espaço para o vazio. O mundo sempre me completou com o que você não me dava.

E tem tanta gente por ai pra gente encontrar, e nos encontrar. Eu sei que em qualquer ponto, posto, rodoviária ou estação eu vou me completar e, a partir daí, as minhas fotos não sairão mais em preto e branco. Hoje eu não quero voltar. Todo canto ainda lembra você, mas não lembra nós dois. A gente sabe amar outra pessoa melhor depois que aprende a se amar. Eu já posso deixar você ir, e vai. Obrigada, se for possível, tente enxergar o mundo com outros olhos e corra, ande, porque a vida é feita de mais urgências.

Cuidado para não se perder por ai. Sua coragem pode te mover, mas não te protege do perigo de outros corações que não sabem nada sobre o amor e nem sobre os caminhos da dor. O que era calmaria, hoje é correnteza, e eu prefiro assim. As poucas gotas que você trouxe encheram o meu oceano inteiro, acredite. E hoje eu corro terrenos baldios buscando qualquer coisa pra construir a minha morada de novo, até quando me der vontade de mudar outra vez, de casa, de casco, de céu.

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s